Pastoral da Saúde realiza comemorações para o XXVII Dia Mundial do Enfermo e a Abertura do Ano Vocacional Camiliano

Uma celebração especial para a Igreja

Com o tema “Maria Inspiradora de Políticas Públicas a serviço da Vida e da Saúde”, a Pastoral da Saúde Nacional, em parceria com o Regional Sul 1, realizou sua VIII Romaria Nacional ao Santuário Nacional de Aparecida, em comemoração ao XXVII Dia Mundial do Enfermo.

Excepcionalmente este ano, a romaria foi antecipada para o primeiro final de semana de fevereiro, em virtude da Abertura do Ano Vocacional dos Camilianos, que teve como tema: “Novos em Cristo: um coração solidário para amar e servir”. Os Camilianos tiveram papel fundamental na história da Pastoral da Saúde do Brasil, pois já em 1922 iniciaram os trabalhos de assistência espiritual aos doentes com a antiga Pastoral dos Enfermos, destacou o Coordenador Nacional da Pastoral, Alex Motta.

Dia Mundial do Enfermo

No dia 11 de fevereiro, a Igreja celebra o dia de Nossa Senhora de Lourdes e o Dia Mundial dos Enfermos. A data, instituída em 1992, por São João Paulo II, é celebrada anualmente em comunidades, paróquias, dioceses e conferências episcopais de todo o mundo. A finalidade da comemoração é dar visibilidade especial à condição dos doentes e a quem cuida deles. Ao mesmo tempo, convida familiares, profissionais de saúde e agentes de pastoral a dar graças pela vocação de acompanhar os irmãos doentes. Todos os anos o papa envia uma mensagem de fé e esperança aos doentes, aos profissionais e aos voluntários que trabalham na área da saúde.

Em 2019, esta data dedicada aos enfermos, bem como as mensagens do Santo Padre, completam 27 anos de sua instituição, o que, para o coordenador Alex Motta, demonstra “um grande respeito da Igreja” para com esta missão pastoral, com o cunho de animar espiritualmente o Agente, que exerce seu servir em ambiente de extremos da vida e da morte.

Mensagem do Papa Francisco

A mensagem do papa para o Dia Mundial do Enfermo deste ano apresenta a temática: “Recebestes de graça, dai de graça» (Mt 10, 8). No texto “Mãe de todos os seus filhos, mas com uma solicitude especial pelos doentes”, o Pontífice lembra que o caminho mais credível de evangelização são os gestos de um dom gratuito como os do Bom Samaritano. O cuidado para com os doentes precisa de profissionalismo e ternura, de gestos gratuitos, imediatos e simples, como uma carícia, pelos quais fazemos sentir ao outro que nos é querido.

A vida é dom de Deus, pois, como adverte São Paulo: “que tens tu que não tenhas recebido?” (1 Cor 4,7). E, precisamente porque é dom, a existência não pode ser considerada como mera possessão ou propriedade privada, sobretudo à vista das conquistas da medicina e da biotecnologia, que poderiam induzir o homem a ceder à tentação de manipular a “árvore da vida” (cf. Gn 3, 24).

“Contra a cultura do descarte e da indiferença, cumpre-me afirmar que se há de colocar o dom como paradigma capaz de desafiar o individualismo e a fragmentação social dos nossos dias, para promover novos vínculos e várias formas de cooperação humana entre povos e culturas. Como pressuposto do dom, temos o diálogo, que abre espaços relacionais de crescimento e progresso humano capazes de romper os esquemas consolidados de exercício do poder na sociedade”, escreveu Francisco.

Pastoral da Saúde, uma missão da Igreja

De acordo com Alex Motta, assistir os enfermos é uma forma concreta de demonstrar o amor: “Como Igreja, não podemos deixar de animar a todos que vivem esta missão, que é da Igreja. Pois todos nós, em algum momento da vida, estaremos doentes, ou conheceremos alguém em situação de fragilidade de saúde, ou ainda, teremos uma pessoa próxima que esteja entre a vida e a morte. Recordar este dia e celebrá-lo, pedindo a intercessão de Nossa Senhora, nos anima diante de uma missão tão difícil.

Neste dia, reze pela sua família e pelos profissionais e voluntários que dedicam sua vida a este chamado de Deus”.

Romaria

Em sintonia com o Ano Vocacional Camiliano, a VIII Romaria Nacional da Pastoral da Saúde e XXIV do Regional Sul l, reuniu milhares de agentes e camilianos de todas as regiões do país. O evento também serviu de preparação para a comemoração dos 33 anos da Pastoral da Saúde, que acontecerá próximo dia 9 de maio.

Tendo como tema: “Maria Inspiradora de Políticas Públicas a serviço da Vida e da Saúde”, as atividades da romaria tiveram início com a Santa Missa às 9h, na Basílica de Aparecida. A Eucaristia foi presidida pelo Arcebispo de Aparecida, Dom Orlando Brandes, e concelebrada pelo Bispo de Campos (RJ) e referencial da Pastoral da Saúde Nacional, Dom Roberto Francisco Ferrería Paz, Dom Paulo Celso Dias do Nascimento, Bispo Auxiliar da Arquidiocese do Rio de Janeiro e referencial da Pastoral da Saúde do Regional Leste 1, Pe. Antônio Mendes Freitas, Provincial da Província Camiliana Brasileira e, representando Dom Benedito Gonçalves dos Santos, bispo referencial da Pastoral da Saúde do Regional Sul 1, o Pe. Marcos Paulo Cestari de Souza, Vigário Episcopal da Diocese de Presidente Prudente e membro do Conselho Fiscal da Pastoral da Saúde Nacional.

Após a celebração, os agentes se reuniram no auditório Noé Sotillo, localizado no subsolo do Santuário para momentos de oração, reflexão, celebração e formação.

O sacerdote camiliano e assessor eclesiástico da Pastoral da Saúde Nacional, padre Renato Prado, fez a entrega da Mensagem de Sua Santidade o Papa Francisco para o 27º Dia Mundial do Enfermo que celebraremos no próximo dia 11 de fevereiro, dia de Nossa Senhora de Lourdes.

Os Camilianos apresentaram uma imagem de São Camilo que foi feita especialmente para este Ano Vocacional, e que seguirá em peregrinação nacional como parte de suas comemorações. A imagem peregrina será acompanhada por uma relíquia especial, as faixas que envolviam as chagas de São Camilo, que foram trazidas de Roma para as celebrações deste ano festivo.

Seiti Takahama, Professor da Universidade Federal de São Carlos, especialista em Direitos Sociais, e Jorge Kayano, Médico Sanitarista, atuante em “Avaliação em Saúde e Políticas Públicas”, apresentaram uma palestra sobre “Fraternidade e Políticas Públicas, o olhar do agente da pastoral da saúde”.

Além da oportunidade de participar juntamente aos camilianos deste momento especial para a Igreja, durante as atividades, os agentes tiveram a oportunidade de trocar experiências, confraternizar e compartilhar seus anseios nas atividades da pastoral.

Arquivos para Download (baixar):

  1. Doença de Huntington
  2. Políticas Públicas – Controle Social
  3. Doenças Raras

3 comments

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *